Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net
Home / News / De Paris 1924 a Paris 2024: a participação feminina espanhola completa cem anos

De Paris 1924 a Paris 2024: a participação feminina espanhola completa cem anos

Com saias decentes abaixo do joelho, as pernas escondidas por meias brancas e uma raquete de madeira na mão, Neste domingo completa exatamente um século desde que as tenistas espanholas Lilí Álvarez e Rosa Torras se apresentaram no Estádio Colombes participar dos Jogos de Paris de 1924 e, assim, tornou-se o primeiros atletas olímpicos espanhóis da historia.

Cem anos depois, em Paris 2024, Suas herdeiras Sara Sorribes e Cristina Bucsa vão competir em Roland Garros suas partidas empunhando raquetes leves de grafite, vestindo roupas curtas, coloridas e justas e se profissionalizando em seu esporte. Álvarez e Torras foram os primeiro e único espanhol em 1924porque outras duas jogadoras inscritas, Isabel Fonrodona e María Luísa Marnet, não competiram.

Em vez disso, Sorribes e Bucsa viajarão para Paris acompanhada por outras 190 mulheres, 50,2% da seleção olímpica espanhola, em que pela primeira vez haverá mais mulheres do que homens. A estreia feminina da Espanha num palco olímpico poderia ter ocorrido antes, em 1920, quando 'Panchita' Subijana e Lily Rózpide, também tenistas, foram convocadas para a prova de Antuérpia. Mas nenhum foi finalmente para a Bélgica.

Então cabia a eles Lilí Álvarez e Rosa Torras essa honra, da qual aproveitaram ao máximo, pois em 1924 participaram dos três torneios: simples, duplas e duplas mistas. Torras venceu sua primeira partida individual e perdeu na seguinte, nas oitavas de final. Álvarez chegou às quartas de final, disputadas em 17 de julho. Nas duplas femininas perderam primeiro e no misto Lilí Álvarez e Eduardo Flaquer passaram um turno, até o segundo turno, e Torras e Ricardo Saprissa foram eliminados na estreia.

Torras viajou para Paris com bronquite e em Colombes fez uma pequena fogueira perto do campo para inalar os vapores entre os jogos. Segundo os autores Alejandro Leiva e Antonio Sánchez Pato no livro 'Olimpismo na Espanha. Um olhar histórico desde as origens até os dias atuais', “a própria Lilí Álvarez em suas notas autobiográficas “nunca deu especial importância” à sua participação em Parispelo que “provavelmente estas atletas não tinham consciência do verdadeiro significado” que a sua presença naquela edição significava para o desporto feminino.

Sem mais participação espanhola até 1960

Rita Pulido posando durante sua participação nos Jogos de 1960

Rita Pulido posando durante sua participação nos Jogos de 1960Jorge Seda

Tivemos que esperar 34 anos, até 1960, para ver outra espanhola competir nos Jogos Olímpicos. A Guerra Civil e a ditadura de Franco caíram como uma pedra sobre o incipiente desporto feminino em Espanha, que mal ressurgiu no final da década de 1950.

Onze mulheres participaram dos Jogos de Roma, em três modalidades: ginástica, natação e esgrima. Nesse grupo estão nomes emblemáticos como os do nadadoras Isabel Castañé e Rita Pulidoque competiu aos 14 e 15 anos, ou os de Elena Artamendi, mais tarde uma importante líder da ginástica catalã, e de María Shaw, além de uma notável esgrimista física.

Em Tóquio 1964 e no México 1968 a presença foi quase simbólica, com três e dois nadadores, respectivamente. Pulido e Castañé repetiram-se na capital japonesa, acompanhados por Assunção Ballester, e Mari Paz Corominas, finalista dos 200 m costas, e Pilar von Carsten competiram no México. Munique'72 registou apenas a participação de cinco espanhóis, entre eles a pintora María Teresa Romero, décima terceira no tiro com arco.

De Montreal a Seul: lenta melhora em números e resultados

Carmen Valero nossa primeira representante no atletismo

Carmen Valero nossa primeira representante no atletismoFederação Espanhola de Atletismo

Os Jogos de Montreal '76 tiveram o primeiro representante espanhol no atletismoo lembrado Carmem Valeroentre uma equipe de onze mulheres.

Apesar da abertura trazida pela democracia recém-lançada, para as atletas as coisas caminhavam lentamente e em Moscou'80 foi reduzido a nove representanteslimitado à ginástica – Aurora Morata, que foi campeã de Espanha e dos Jogos do Mediterrâneo, estava na equipa -, natação e salto.

Los Angeles 1984 e Seul'88 gravados aumentos significativos que preparou o terreno para a grande mudança que o Barcelona'92 implicaria.

Teresa Rioné (atletismo), Laura Muñoz (ginástica artística), Marta Bobo (rítmica), Ana Tarrés (sincronizada)… Os 16 atletas que viajaram para Los Angeles já gozavam de popularidade entre os torcedorese mais ainda os 29 que competiram em Seul, com a edição seguinte, em casa, já na cabeça de todos: Eva Rueda (ginástica artística), Blanca Lacambra, Sandra Myers, Rosa Colorado, Maite Zúñiga (atletismo), Gemma Usieto ( tiro), Arantxa Sánchez Vicario (tênis) e Silvia Parera (natação) fizeram parte dessa expedição.

Barcelona'92: as primeiras medalhas

Blanca Fernández Ocha com sua medalha

Blanca Fernández Ocha com sua medalha

O plano de preparação ADO Jogos de Barcelona Mostrou que, com igualdade de tratamento, condições económicas e preparação, os atletas espanhóis também estavam prontos para subir ao pódio. 125 competiram e as medalhas finalmente chegaramprecedido alguns meses antes pelo bronze de Blanca Fernández-Ochoa nos Jogos de Inverno.

Os ouros dos judocas Miriam Blasco (a primeira no tempo) e Almudena Muñoz, das velejadoras Theresa Zabell e Patricia Guerra e da seleção de hóquei em campo (única seleção feminina espanhola até hoje campeã olímpica), a prata de Carolina Pascual no rítmico, de Arantxa Sánchez Vicario e Conchita Martínez no tênis em duplas e Natalia Vía-Dufresne na vela e, por fim, o bronze de Sánchez Vicario nas simples formaram um panorama difícil de imaginar uma década antes.

O 'efeito Barcelona' estendeu-se até Atlanta '96, com 93 mulheres classificadas e seis medalhas conquistadas na ginástica rítmica, vela, tênis e judô. Em Sydney 2000, a centena de participantes foi novamente ultrapassada, barreira que nunca foi revertida: 139 em 2004, 121 em Pequim, 111 em Londres, 144 no Rio, 137 em Tóquio. Se até 1992 a percentagem de homens na selecção espanhola tinha sempre ultrapassado os 87%, as mulheres já ultrapassavam os 40.

María Vasco conquistou a primeira medalha feminina no atletismo, com o bronze na caminhada de 20 km em Sydney; Na mesma edição veio o bronze de Nina Zhivanevskaya na natação. Em 2004 veio o primeiro pódio feminino, o único até agora, na ginástica artística graças a Patricia Moreno e seu bronze no chão, entre outros sucessos espanhóis. E em Pequim 2008, esportes como levantamento de peso, com Lidia Valentín, e nado sincronizado foram adicionados ao pódio.

A Segunda Revolução: de Londres 2012 a Tóquio 2020

Mireia Belmonte medalhista em Londres

Mireia Belmonte medalhista em Londres

Um salto de importância semelhante ao de Barcelona ocorreu nos Jogos de Londres 2012, quando Os atletas olímpicos espanhóis praticamente dobraram seus companheiros em medalhas, 13-6. No Rio 2016 a superioridade foi mantida (9-8) e em Tóquio 2020 as medalhas com assinatura feminina caíram novamente para 6, mais as medalhas mistas no tiro.

Foram os anos de Miréia Belmontede Maialen Chourraut, de Marina Alabau, de Ruth Beitia, de Carolina Marín, de Sandra Sánchez, de Teresa Portela… Mas o passo dado pelos desportos colectivos também foi transcendental: prata no pólo aquático e no basquetebol, bronze no andebol.

Com a classificação para o Jogos Paris 2024 da seleção espanhola de futebol, a boxeadora Laura Fuertes, a pentatleta Laura Heredia, as surfistas Nadia Erostarbe e Janire González e a alpinista Leslie Romero, O esporte feminino espanhol só terá participações pendentes na disciplina recém-incorporada, quebrando.

Quanto às medalhas, um século depois daquela estreia em Paris em 1924, as espanholas Eles já têm metais em 19 esportes olímpicos.




Source link

About admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Recent Comments

No comments to show.